Outubro Rosa: Câncer de Mama e Preservação da Fertilidade

Outubro Rosa

O câncer de mama é a doença maligna mais comum no mundo. Cada vez mais mulheres jovens vêm sendo afetadas pela doença, porém, felizmente, a taxa de sobrevida é em torno de 80% em cinco anos. Por isso é tão importante o papel do médico avaliando a repercussão que isso pode ter nos âmbitos da fertilidade, auto estima e sexualidade.

O Outubro Rosa é um movimento internacional que procura ampliar a difusão das práticas de prevenção e tratamento do câncer de mama estimulando a participação da população, empresas e entidades. O movimento começou nos Estados Unidos, onde vários estados tinham ações isoladas referentes ao câncer de mama e mamografia e, sobretudo nos últimos 20 anos, passou a ter uma amplitude mundial. Nós aqui no Vida – Centro de Fertilidade também acreditamos na enorme importância do engajamento nesse movimento e apoiamos o Outubro Rosa, visando conscientizar ainda mais a população feminina para esses cuidados.

 

Entenda mais sobre o câncer de mama

O câncer é um desenvolvimento anormal das células, que crescem substituindo o tecido saudável e podem invadir outros órgãos ou regiões. Ainda não há uma forma de se evitar a doença, mas, sim, de detectá-la em seus estágios iniciais. Quanto mais cedo é descoberta, maiores são suas chances de cura.

Apesar de não se saber ao certo o que causa o câncer de mama, sabe-se que alguns fatores de risco são determinantes para seu aparecimento. A existência de casos na família é um dos mais importantes. Mulheres que têm mãe ou irmãs que já apresentaram a doença antes de 50 anos são consideradas parte do grupo de risco e devem manter um acompanhamento constante. O fator genético está relacionado apenas entre 5% e 10 % dos tumores, os outros 90% são tumores ditos esporádicos.

 

Mamografia – sua maior aliada

A mamografia – exame investigativo das mamas e das porções das axilas mais próximas à área – é a principal forma de detecção precoce do câncer de mama, sendo a única capaz de diagnosticar lesões pequenas, mesmo quando essas ainda não são palpáveis.

Algumas mulheres, porém, não o fazem com medo da dor que a compressão pode causar. É importante lembrar que sua principal função é tornar a mama mais uniforme, para reduzir a dose de radiação durante o exame. A compressão deve ser aplicada gradualmente e tem curta duração. Quando as mamas são comprimidas de forma adequada, os médicos obtêm uma imagem radiográfica de maior qualidade, o que ajuda e muito no diagnóstico. Por isso, o ideal é realizar a mamografia logo após a menstruação, quando a região está menos sensível, para reduzir o desconforto.

Mas lembre-se: prestar atenção ao próprio corpo é sempre importante. Ao notar sintomas como nódulos, regiões endurecidas, secreção da mama fora do período de aleitamento e feridas no bico do seio sem causa aparente, a mulher deve procurar seu médico imediatamente. Não necessariamente o caso será de câncer, mas há diversas outras doenças das mamas que devem ser tratadas com cuidado.

 

Congelamentos de óvulos  – opção para preservar a fertilidade

Atualmente, os tratamentos para o câncer trazem um aumento considerável da expectativa e da qualidade de vida. Com isso, na grande maioria dos casos, esses pacientes podem retomar suas vidas e voltar a sonhar e fazer planos futuros. No entanto, os mesmos tratamentos, que incluem a quimioterapia e a radioterapia, ainda têm um efeito deletério sobre o aparelho reprodutor tanto do homem quanto da mulher, podendo causar infertilidade transitória ou permanente. Por esse motivo, existe uma preocupação cada vez maior em se orientar a preservação da fertilidade antes de se iniciar um tratamento contra o câncer. O congelamento é feito, preferencialmente, antes do paciente se submeter ao tratamento.

As etapas do processo de congelamento lembram o início de um tratamento de fertilização:

  1. a paciente recebe injeções com hormônios por um período de aproximadamente 14 dias para estimular a produção de óvulos;
  2. e seções de ultrassonografia acompanham as alterações ovarianas para determinar o momento exato da aspiração.
  3. A partir da coleta dos óvulos, procedimento realizado em ambiente cirúrgico, as células são examinadas e, em vez de serem fecundadas e implantadas no útero, são vitrificadas minutos depois, a uma temperatura de -196ºC e transferidas para um contêiner com nitrogênio líquido. Trata-se do ritual de congelamento de óvulos, que tem chamado a atenção de especialistas pelo aumento intenso da procura nos últimos meses.

Saiba mais sobre a técnica de congelamento de óvulos

 

Compartilhar Artigo:

Deixe um comentário

WhatsApp chat